Publicidade

Homem de 57 anos recebe coração de porco, por meio de transplante. Confira a história

O transplante com o coração de porco foi um feito inédito e durou oito horas

Homem é transplantado com coração de porco – Freepik/peoplecreations

Já imaginou uma pessoa ser transplantada com o coração que não seja de um ser humano? Pode parecer coisa de filme, mas isso de fato aconteceu com um homem de 57 anos nos Estados Unidos. Três dias depois do procedimento, o anúncio foi feito nesta segunda-feira, 10, pela Escola de Medicina da Universidade de Maryland.

Publicidade

A pergunta que fica é por que David Bennett passou por essa cirurgia inédita. Com uma doença cardíaca terminal, o paciente não era elegível para a realização de um transplante tradicional. A sua única chance de sobrevivência era a opção de um transplante com o coração de um porco, que foi geneticamente modificado para o procedimento

+++ Morre ator que interpretou Batoré, em ”A Praça É Nossa”, após luta contra câncer

+++ Cientistas desenvolvem exame de sangue para a identificação de câncer; Veja mais sobre o estudo

MODIFICAÇÃO GENÉTICA NO CORAÇÃO DE PORCO

Ainda, foram adicionados seis fatores genéticos para que o sistema imune do organismo humano reconheça o coração. Além disso, três genes que poderiam causar a rejeição do órgão foram inativados. Um outro gene que causaria o crescimento em excesso do coração também foi removido. 

Publicidade

A cirurgia foi aprovada pela agência reguladora dos Estados Unidos, Food and Drug Administration (FDA), na véspera do ano novo, 31 de dezembro de 2021. Assim, na última sexta-feira, 07, David Bennett foi submetido ao transplante que durou oito horas. “Era morrer ou fazer esse transplante. Eu quero viver. Sei que é um tiro no escuro, mas é minha última chance”, disse o paciente, conforme informou o Centro Médico da Universidade de Maryland ao The New York Times

ESTADO DE SAÚDE DO PACIENTE APÓS O TRANSPLANTE

Ainda, de acordo com o hospital, em comunicado nesta segunda-feira, o paciente está bem. “(O coração) está funcionando e parece normal. Estamos emocionados, mas não sabemos o que o amanhã irá nos trazer. Isso nunca tinha sido feito antes”, disse o médico Bartley Griffith ao jornal americano.

Publicidade