saude   / Maternidade em tempos de pandemia

OMS divulga novas diretrizes da vacinação contra Covid-19 para gestantes; ginecologista comenta sobre o assunto

"Além da vacinação gerar uma forte imunização em gestantes, ainda é possível que essa imunização seja passada ao bebê", explicou para a Viva Saúde a Dra. Thais Zeque

Viva Saúde Publicado terça 27 abril, 2021

OMS divulga novas diretrizes da vacinação contra Covid-19 para gestantes; ginecologista comenta sobre o assunto - Pexels / Freepik

Gestantes, lactantes e puérperas estão prestes a entrar nos grupos prioritários de imunização contra a Covid-19. O Ministério da Saúde pretende seguir a recomendação da Organização Mundial da Saúde (OMS) e incluí-las. Antes, a instituição priorizava gestantes com doenças prévias (como hipertensão, diabetes, doenças autoimunes, obesidade, asma grave, renal crônica, entre outras), agora, inclui também grávidas que não fazem parte do grupo de risco.

+ VEJA: HIPERTENSÃO: Prevenção, tratamento, sintomas, relação com COVID-19 e consumo do sal

+ VEJA: Idade x plenitude: Ansiedade diminui conforme a idade aumenta, diz pesquisa

“As grávidas sem doenças prévias não eram citadas no Plano Nacional de Vacinação contra a Covid-19. Agora, elas podem ser vacinadas após uma avaliação de riscos e benefícios, principalmente em relação às atividades desenvolvidas pela mulher. Devem ser avaliados os custos e benefícios, conversar com seu obstetra e manter os cuidados essenciais”, explica a ginecologista e obstetra Thais Zeque.

A especialista informa que foram elencadas como grupo de risco:

  • Receptoras de transplante de órgão sólido;
  • Portadoras de problemas respiratórios graves, incluindo fibrose cística e asma grave;
  • Portadoras homozigóticas de anemia falciforme;
  • Usuárias de terapias de imunossupressão suficientes para aumentar de forma significativa o risco de infecção;
  • Portadoras de doença renal crônica (estágio 5) ou que necessitam de diálise;
  • Portadoras de doença cardíaca significativa, congênita ou adquirida;
  • Que atuam na linha de frente de assistência à pessoa com Covid-19, cujo risco de exposição pode ser maior, mesmo que tenham um risco menor de sofrer complicações se estiverem bem;
  • Idade ≥ 35 anos;
  • Gestantes com obesidade;
  • Portadoras de diabetes (preexistente);
  • Hipertensão crônica.

A importância da vacinação

A vacinação contra a Covid-19 é um dos principais assuntos do mundo. Como uma das formas eficazes para evitar as complicações causadas pelo novo coronavírus, a corrida pela vacina, assim como a imunização em massa é essencial para diminuir os números de casos e cessar a pandemia. Há estudos que evidenciam que gestantes são mais suscetíveis à infecção severa e complicações causadas pela doença. Felizmente, um novo estudo publicado no American Journal of Obstetrics & Gynecology, no último mês, avaliou a resposta das vacinas  da Moderna e da Pfizer em mulheres gestantes, de forma positiva.

De acordo com a pesquisa, os níveis de anticorpos apresentados pelas pacientes grávidas são comparáveis ao de mulheres não grávidas, e ambos são maiores do que em pacientes não vacinadas e previamente infectadas pelo SARS-CoV-2.

“Além disso, e mais importante, segundo o estudo, essa imunidade está presente no sangue, no leite materno e na placenta das gestantes. Dessa forma, além da vacinação gerar uma forte imunização em gestantes, ainda é possível que essa imunização seja passada ao bebê por meio do leite materno e da placenta”, pontua a especialista.

Último acesso: 24 Jul 2021 - 00:34:14 (2183).