saude   / Saúde

Fonoaudióloga fala sobre impacto da audição na qualidade de vida das pessoas; saiba mais

A profissional Cintia Fadini foi a responsável por conversar com a Bons Fluidos sobre o assunto no Dia Mundial da Audição

Redação Bons Fluidos Publicado quinta 4 março, 2021

A profissional Cintia Fadini foi a responsável por conversar com a Bons Fluidos sobre o assunto no Dia Mundial da Audição
Fonoaudióloga fala sobre impacto da audição na qualidade de vida das pessoas; saiba mais - Pexels

Em 3 de março, é celebrado o Dia Mundial da Audição. O que deveria ser apenas um ato de conscientização, tem se tornado um importante alerta para a humanidade. Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), cerca de 466 milhões de pessoas sofrem de perda auditiva no mundo. A entidade afirmou ainda que, até 2050, o número pode aumentar para 900 milhões.

As razões mais comuns vão desde problemas genéticos a alta exposição aos ruídos, como também uso de medicamentos ototóxicos que possuem excesso de antibióticos e diuréticos, além de infecção por vírus e bactérias.

No entanto, os maiores vilões da audição podem estar em nossas mochilas, bolsas, pendurados em nossas orelhas ou em cima de nossas mesas: os fones de ouvido e aparelhos com som muito alto. Sabemos que há músicas que despertam diferentes sentimentos, alguns nos relembram paixões, outras ajudam a lidar com frustrações ou nos animam diante de desafios. Então, a pessoa se empolga e coloca o som lá nas alturas. O resultado é a perda de audição de maneira gradual.

Os primeiros sinais da doença aparecem quando a pessoa começa a solicitar repetições da fala, quando ela mesma começa a falar mais alto, esquece o que foi dito, irrita-se com alguns tipos de sons e, em alguns casos, passa a ouvir um zumbido frequente.

Para continuar lendo, veja a MATÉRIA COMPLETA DO PORTAL BONS FLUIDOS, PARCEIRO DO VIVA SAÚDE.

Último acesso: 11 Apr 2021 - 07:06:13 (1714).