saude   / Conscientização

Fevereiro Roxo: No mês de conscientização do Mal de Alzheimer, epecialista afirma: "Importante é trazer essa discussão"

A doença, que afeta a memória e as capacidades cognitivas, ainda não tem uma cura definitiva

Marcello Sapio, com a supervisão de Marina Pastorelli Publicado quarta 17 fevereiro, 2021

A doença, que afeta a memória e as capacidades cognitivas, ainda não tem uma cura definitiva
Fevereiro roxo - Pixabay

Tal qual outros meses mais "consolidados", como por exemplo o outubro rosa e novembro azul, em fevereiro se "celebra", entre outras lutas, o Fevereiro Roxo, que serve como o mês de conscientização sobre o Mal de Alzheimer.

A doença degenerativa, que afeta o cérebro, principalmente na área das memórias e das capacidades cognitivas, afeta aproximadamente 1 milhão e 200 mil pessoas só no Brasil, sendo mais de 35 milhões no mundo.

+++LEIA MAIS: Veja como fazer deliciosas panquecas de ricota com espinafre!

Apesar disso, ainda não existe uma cura definitiva, apenas tratamentos médicos para diminuir os efeitos da doença, além de exercícios cerebrais feitos ao longo da vida para prorrogar o surgimento dos sintomas.

O neurocirurgião Dr Fernando Gomes conversou com o Viva Saúde e explicou um pouco mais como o Mal de Alzheimer se manifesta.

Ele começou falando sobre quais são uns dos sintomas que podem caracterizar o surgimento da doença: "Outros sintomas além da perda de memória são a desorientação espacial, redução da atenção e diminuição da velocidade de resposta".

Outro assunto abordado foi em questão do tratamento. Como dito, ainda não há uma cura definitiva, mas há estudos em todo o mundo para descobrir um medicamento capaz de impedir a doença: "Estamos em um processo de entendimento da doença e, do ponto de vista biológico e mocelular, a cura definitiva ainda está distante, mas progressivamente temos hoje bem mais opções de tratamento para alívio dos sintomas e tratamento da doença a longo prazo"

"A adoção de estilo de vida saudável e a estimulação constante do cérebro através do hábito de aprender diversas coisas sempre, ler constante, manter uma comunicação ativa , ouvir musica e consumir arte e entretenimento de modo geral. Tudo aquilo que faz o cérebro trabalhar é importante e fundamental para manter a cognição em alta", completou ao responder sobre o que é possível se fazer para atrasar as manifestações.

Um dos maiores desafios também nessa batalha é, com toda certeza, o lado familiar.

Com o Alzheimer atacando a memória, às vezes, o processo fica tão doloroso para a família quanto para o enfermo. 

Mesmo asim, o apoio e a força são fundamentais para o tratamento, como disse o médico: "Quando a família entende tudo sobre o diagnóstico tudo fica mais fácil, mas é essencial a organização de uma estratégia familiar de divisão de tarefas para envolvimento de todos,  sem que haja desgaste e sobrecarga de um só membro familiar".

O Alzheimer ganha um foco a mais nas comunidades médicas por conta do envelhecimento da população. No mundo todo, as pessoas estão vivendo mais, o que se exige cuidados e avanços no setor da gerontologia. Por isso a corrida pela cura se torna cada dia mais fundamental.

O Dr Fernando segue na mesma linha e justificou: "O processo natural de diminuição de habilidades físicas e mentais acontece naturalmente, normalmente após os 65/70 anos. E esse numero é crescente conforme a idade passa. Acima de 85 anos, 40% da população terá um diagnostico de demência e, cerca de metade dessas demências podem ser Alzheimer".

Por fim, o neurocirurgião comentou sobre a importância de ter um mês para a conscientização da doença: "O mais importante é trazer essa discussão, em especial nesta época em que tudo se resume a coronavirus as outras doenças não podem ser deixadas de lado. A longevidade já  têm se tornado cada vez maior cada vez mais, então com essa sobrevida é preciso se cuidar e sempre se atentar aos sinais".

 

 

Último acesso: 11 Apr 2021 - 07:51:32 (1603).