saude   / Covid-19

Anvisa autoriza teste clínico de vacina desenvolvida pela farmacêutica GSK

O imunizante usa tecnologia de partícula semelhante ao coronavírus e é aplicada em duas doses com intervalo de vinte e um dias entre elas

VIVA SAÚDE Publicado quinta 8 abril, 2021

O imunizante usa tecnologia de partícula semelhante ao coronavírus e é aplicada em duas doses com intervalo de vinte e um dias entre elas
Anvisa autoriza teste clínico de vacina desenvolvida pela farmacêutica GSK - Pixabay

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) autorizou nesta quinta-feira os testes clínicos no Brasil de uma potencial vacina contra Covid-19 desenvolvida pela farmacêutica britânica GlaxoSmithKline (GSK) em conjunto com a empresa canadense Medicago, informou a agência reguladora em nota.

A autorização dada pela Anvisa é para a realização dos ensaios clínicos em Fases 2 e 3, que visam avaliar a segurança, eficácia e imunogenicidade da potencial vacina, com três mil e quinhentos voluntários no país, disse a Anvisa.

“Na fase 3 do estudo planeja-se incluir até trinta mil voluntários distribuídos entre o Canadá, Estados Unidos, além da América Latina, Reino Unido e Europa. No Brasil, planeja-se incluir três mil e quinhentos voluntários na porção 3 do estudo de Fase 2/3. A fase 1 e 2 do estudo está em andamento no Canadá e Estados Unidos”, afirmou a agência.

+++ VEJA TAMBÉM: 'Skincare natural': Abóbora, batata doce e frutas cítricas são capazes de melhorar a saúde e a beleza da pele
+++ VEJA TAMBÉM: Máscara de carvão ativado limpa profundamente a pele e controla a oleosidade; saiba como fazer

E, de acordo com órgão regulador, a potencial vacina da GSK usa tecnologia de partícula semelhante ao coronavírus e é aplicada em duas doses com intervalo de vinte e um dias entre elas.

Vacinas no Brasil

Esse é o quinto estudo clínico de uma vacina contra Covid-19 autorizado pela Anvisa no Brasil. Antes, a agência autorizou os testes com as vacinas Oxford/AstraZeneca, CoronaVac, do laboratório chinês Sinovac, da Pfizer com a BioNTech e da Janssen, subsidiária da Johnson&Johnson.

As vacinas da AstraZeneca e da Pfizer já obtiveram registro definitivo junto à Anvisa, enquanto a CoronaVac e o imunizante da Janssen têm autorização para uso emergencial no país dada pela agência reguladora.

 

Último acesso: 11 Apr 2021 - 07:28:02 (1975).