Beach tennis: ortopedistas fazem alerta para lesões com a prática do esporte

É preciso tomar alguns cuidados antes da prática do beach tennis, um dos esportes mais queridos no verão

Viva Saúde Publicado sexta 3 dezembro, 2021

É preciso tomar alguns cuidados antes da prática do beach tennis, um dos esportes mais queridos no verão
Cuidados ao praticar beach tennis - Freepik/freepik

O beach tennis é um esporte que já é febre muito antes do verão chegar e é famoso e queridinho de muita gente por ser praticado na areia, garantir alto gasto energético, dinamismo e diversão. Mas, o terreno irregular e o impacto provocado pelos saltos, corridas e quedas atrás da bola podem afetar as articulações e os músculos, desencadeando patologias como epicondilites, bursites, tendinites, síndrome do impacto e um grande número de entorses de tornozelo e joelho com lesões ligamentares cirúrgicas.

O alerta é dos médicos ortopedistas Dr. Pedro Baches Jorge e Dr. Bruno Takasaki Lee. Eles explicam que a dor conhecida como ‘cotovelo de tenista’ (epicondilite lateral), e que causa dor intensa no cotovelo pelo uso excessivo dos braços, antebraços e mãos, pode gerar inflamação no tendão devido a microlesões que acontecem durante a execução dos movimentos do esporte, que está cada vez mais comum nos consultórios. Além dessa, outras lesões podem acometer os praticantes, como a entorse do tornozelo e joelho e lesões no ombro.

+++ O poder do aeróbico! Estudo mostra como a prática desses exercícios afeta os resultados da musculação

+++ Alimentação pré-treino não é para todos e exige atenção redobrada

COMO PRATICAR O BEACH TENNIS E EVITAR LESÕES

“Essas lesões podem ser prevenidas com preparo físico adequado para a prática deste esporte, além de aquecimento e alongamentos antes de todos os jogos e a necessidade de intercalar os treinos com a academia para reforçar a musculatura”, diz Dr. Pedro Baches Jorge.

O médico Dr. Bruno Takasaki Lee lembra a importância de respeitar o limite de cada corpo prestando atenção aos sinais para identificar se já há alguma doença instalada. A qualquer sinal de dor que não cessa em até dois dias é necessário parar temporariamente o esporte. Na fase aguda, analgésicos e anti-inflamatórios para alívio da dor podem ajudar, mas se não houver fortalecimento e reequilíbrio muscular, em alguns casos mais graves pode ser indicada até uma cirurgia”, finaliza.


SOBRE AS FONTES:

Dr. Pedro Baches Jorge 

Ortopedista Especialista em Joelho e Medicina Esportiva. Graduado em Medicina pela Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo, é especialista em Cirurgia do Joelho e Oncologia Ortopédica, Medicina Esportiva e Artroscopia. É responsável pelo Núcleo de Medicina do Joelho da Clínica SOU, Mestre e Doutorando em Ortopedia pela Santa Casa de São Paulo e também membro de seu Grupo de Trauma Esportivo, é membro do corpo clínico e membro cofundador do Núcleo de Medicina Esportiva do Hospital Sírio Libanês, Diretor científico da Sociedade Brasileira de Artroscopia e Trauma do Esporte (SBRATE) e também membro da Sociedade Brasileira de Cirurgia do Joelho.

Dr. Bruno Takasaki Lee 

Ortopedista Especialista em Pé e Tornozelo. Médico formado e Especializado pela Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo. Tendo praticado inúmeras atividades esportivas durante sua vida, o Dr. Bruno Lee integra seu conhecimento técnico ao esportivo, unindo o conhecimento anatômico, patológico e funcional para o alcance do melhor resultado no tratamento de suas patologias. Nos últimos anos, o Dr. Bruno Lee buscou continuamente o aperfeiçoamento nas técnicas minimamente invasivas para tratamento das patologias dos pés.

Último acesso: 29 Jan 2022 - 09:56:15 (3658).