Testeira
  covid-19   / Todo cuidado é necessário

3 pontos importantes para entender como a saúde oral pode prevenir a transmissão do Coronavírus e reduzir risco de casos e morte

Além de ser um ponto importante de entrada e transmissão do vírus Sars-COV-2, a cavidade oral pode sofrer com doenças periodontais que, por sua vez, favorecem surgimento de comorbidades da COVID-19 e aumentam risco de casos graves e morte pela doença

HUGO ROBERTO LEWGOY Publicado sexta 23 julho, 2021

Além de ser um ponto importante de entrada e transmissão do vírus Sars-COV-2, a cavidade oral pode sofrer com doenças periodontais que, por sua vez, favorecem surgimento de comorbidades da COVID-19 e aumentam risco de casos graves e morte pela doença
Já se sabe que a saúde oral pode ter impacto direto sobre a infecção causada pelo Coronavírus - Freepik/ pch.vector

Mesmo com as campanhas de vacinação a todo vapor, não paramos com os esforços para entendermos mais sobre o que é a COVID-19, seu impacto no organismo e os fatores que podem contribuir para sua gravidade. Hoje, por exemplo, sabemos que a saúde oral pode ter impacto direto sobre a infecção causada pelo Coronavírus. Para entender mais sobre essa questão, consultamos o Dr. Hugo Lewgoy, cirurgião-dentista e doutor pela USP, que explicou de que forma a realização de cuidados orais podem ajudar a prevenir a transmissão e contágio pelo Coronavírus e reduzir o risco de casos graves e morte.

Confira:

Cavidade oral é ponto focal importante para a infecção pelo SARS-CoV-2

A cavidade oral vem sendo apontada como um dos pontos de entrada mais importantes para o agente patógeno causador da COVID-19. Além disso, o vírus SARS-CoV-2 foi identificado na saliva de cerca de 90% dos pacientes infectados e inúmeros estudos têm demonstrado que o vírus pode ser transmitido por gotículas de saliva em até 3 metros mesmo em pacientes assintomáticos. “A localização da cavidade oral em relação ao sistema respiratório e a secreção de saliva na região, que abriga milhões de microrganismos e é um meio de transmissão de vírus e bactéria, a tornam um meio expressivo de transmissão do agente patógeno”, explica o especialista.

+++ Teve Covid-19? Entenda por que você deve fazer urgentemente um check-up e acompanhamento vascular

Doenças periodontais predispõem comorbidades da Covid-19

Figurando entre as doenças mais prevalentes em todo o mundo, a periodontite, infecção bacteriana caracterizada pela inflamação crônica dos tecidos que envolvem os dentes, pode favorecer o surgimento e piora de condições sistêmicas que figuram como fator de risco para casos graves de COVID-19.

“Gengivas inflamadas, infecções orais e problemas periodontais geram a liberação de citocinas na corrente sanguínea que causam um processo inflamatório até mesmo em órgãos distantes, promovendo assim o desenvolvimento de condições como diabetes, Alzheimer, aterosclerose, doenças cardiovasculares e cerebrovasculares”, destaca o cirurgião-dentista.

+++ 8 hábitos adotados na pandemia que devem ser mantidos durante toda a vida

Doenças periodontais aumentam risco de infecção, caso graves e morte por Covid-19

Visto que um maior índice de mortalidade por COVID-19 foi observado em pacientes com problemas gengivais, pode-se concluir que existe um risco aumentado de morte pela infecção causada pelo Coronavírus em pacientes com doença periodontal.

“Estudos apontam que a secreção aumentada de citocinas pró-inflamatórias provocada pela doença periodontal é um dos principais fatores envolvidos no desenvolvimento da Síndrome de Angústia Respiratória do Adulto, que, junto a outras desordens respiratórias severas, é a principal causa de morte entre pacientes com COVID-19. Além disso, as bactérias provenientes do periodonto doente aumentam a expressão de ACE2 (Enzima conversora da angiotensina 2), proteína que atua como um receptor do SARS-CoV-2, o que facilitaria sua entrada. Pesquisas ainda sugerem que as bolsas entre os dentes e a gengiva provocadas pelas bactérias causadoras da periodontite são um ponto focal de infecção pelo Coronavírus”, afirma o Dr Hugo.

+++ Influência genética pode favorecer desenvolvimento de casos graves de COVID-19 em jovens saudáveis

Por esses motivos, a realização de cuidados diários com a saúde oral tem se mostrado cada vez mais importante em meio a pandemia do Coronavírus. Mas engana-se quem acredita que basta realizar a escovação convencional para manter a saúde oral em dia. Até mesmo a escolha da escova importa. “Para máxima eficácia da higiene oral, o ideal é apostar em escovas com grande quantidade de cerdas, pois, quanto maior a quantidade de cerdas, maior é a eficácia da escovação e menor é o acúmulo de placa bacteriana no dente. Mas, lembre-se que a quantidade deve estar aliada à qualidade das cerdas, que devem ser ultramacias, já que cerdas duras podem machucar as gengivas, desgastar o esmalte dos dentes, provocar retração gengival e, consequentemente, sensibilidade”, aconselha o especialista. 

Outro ponto importante para manter a saúde oral em dia é a limpeza dos locais que a escova convencional não alcança, como a região interdental, o que pode ser feito através do uso de escovas interdentais. “O fio dental sozinho não é capaz de higienizar com eficácia toda a região que fica entre os dentes. Por isso, o uso da escova interdental é tão importante, já que é responsável pela desorganização da placa bacteriana ou biofilme oral que se localiza na região entre os dentes com maior efetividade que o fio dental, pois muitos dentes, especialmente os posteriores, possuem uma depressão nesta área que apenas a escova interdental é capaz de atingir e higienizar adequadamente”, destaca o cirurgião-dentista.

+++ Saiba por que na pandemia, mais do que nunca, você deve atingir 8 horas de sono de boa qualidade

Por fim, o Dr. Hugo Lewgoy destaca que os cuidados com a saúde oral apenas complementam as outras medidas de prevenção contra o Coronavírus, não substituindo-as. “Por isso, é fundamental que, mesmo realizando a higiene diária da cavidade oral, o indivíduo continue higienizando frequente as mãos com água e sabão, utilizando máscaras de proteção e mantendo o distanciamento de outras pessoas”, finaliza.


FONTE:

HUGO ROBERTO LEWGOY - Especialista, Mestre e Doutor pela Faculdade de Odontologia da Universidade de São Paulo; Professor Colaborador do Instituto de Pesquisas Nucleares (IPEN) e do Mestrado Profissional em Biomateriais em Odontologia da Universidade Anhanguera (UNIAN); Pós-graduado em Cirurgia e Traumatologia Buco-Maxilo-Facial pela Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (FMUSP); Instrutor da filosofia individually Training Oral Prophylaxis (iTOP); Pós-graduado em Implantodontia pela Miami University e University of Berna; Membro do International Team of Implantology (ITI); Consultor Científico da Curaden Swiss

Último acesso: 19 Sep 2021 - 04:59:36 (2945).