saude   / Alimentação saudável

Setembro Amarelo: Médico lista os micronutrientes fundamentais para o tratamento da depressão

Dr. Paulo Lessa recomenda vitaminas e minerais para a prevenção e tratamento do transtorno depressivo.

VIVA SAÚDE Publicado sexta 4 setembro, 2020

Dr. Paulo Lessa recomenda vitaminas e minerais para a prevenção e tratamento do transtorno depressivo.
Segundo o Ministério da saúde, estima-se que, na América Latina, 24 milhões de pessoas sofram com a depressão - Freepik

Assim como acontece no famoso Outubro Rosa, também temos uma cor especial para Sembro: o amarelo.

Iniciado em 2015, o movimento “Setembro Amarelo” surgiu de uma iniciativa do Centro de Valorização da Vida, do Conselho Federal de Medicina e da Associação Brasileira de Psiquiatria. A campanha tem foco de prevenção ao suicídio, e, por esse motivo, é sempre muito relacionada aos males da depressão, que em seu pior estágio, pode levar uma pessoa a cometer o ato de tirar a própria vida.

ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL NO COMBATE À DEPRESSÃO

A depressão é um transtorno mental bastante comum atualmente. Segundo o Ministério da saúde, estima-se que, na América Latina, 24 milhões de pessoas sofram com a doença. Porém, muitos não sabem que uma alimentação rica em micronutrientes pode ajudar a produzir mais serotonina (capaz de dar ao cérebro sensação de bem-estar), aumentar o bom humor e ajudar no combate desse transtorno.

Segundo Dr. Paulo Lessa, médico e proprietário do Instituto Lessa, o Ômega 3, Magnésio, Fibras, Zinco, Ferro, além das vitaminas C, B1, B9 e B12, devem ser os destaques à mesa para espantar o já chamado mal do século, a depressão.

“Uma dieta rica em folhas verdes, oleaginosas e peixes ajudam na prevenção dos sintomas. Em alguns estudos, a comida correta diminuiu em 50% o risco de depressão”, explica.

DIMINUA OS RISCOS

Seguir uma dieta de melhor qualidade tem sido constantemente associada a um menor risco de depressão.

“O ponto forte de uma rotina alimentar equilibrada é evitar que o organismo fique sob estado de inflamação, o que acaba inibindo o chamado fator neurotrófico, responsável por estimular a formação de novos neurônios”, revela o médico.

Vale lembrar que a mudança de hábitos alimentares não substitui o tratamento da doença, com a intervenção medicamentosa e terapia. “Tratar a base com ajuda de profissionais que trabalham de forma integrada é o melhor caminho! Mude seus hábitos, vá ao médico para avaliar os seus exames e converse sobre o que sente. Sua vida vale muito!”, finaliza Dr. Paulo.

 

TELEFONE PARA PEDIR AJUDA- Centro de Valorização da Vida (CVV):

Disque 188 - Ligações para o Centro de Valorização da Vida (CVV), que auxilia na prevenção do suicídio, são gratuitas em todo o país.


SOBRE DR. PAULO LESSA:

Dr. Paulo Lessa é capixaba, médico e especialista em saúde e qualidade de vida. Atualmente atende seus pacientes no Instituto Lessa, onde é proprietário com a sua esposa, em Vitória-ES. 

Instagram: @drpaulolessa

Último acesso: 05 Dec 2020 - 05:40:34 (267).