''Quando perdemos alguém que amamos de repente é como se nos faltasse o chão'' analisa psicanalista Fabiano de Abreu

Ao dizer adeus uma pessoa querida, o especialista fala sobre a resiliência como uma forma de se recuperar dessa dor

Viva Saúde Publicado quarta 24 novembro, 2021

Ao dizer adeus uma pessoa querida, o especialista fala sobre a resiliência como uma forma de se recuperar dessa dor
Como se recuperar ao perder alguém - Freepik/freepik

Você já sentiu a dor de dizer adeus a uma pessoa amada? Perder uma pessoa querida é um fato intensamente marcante que só pode ser recuperado com tempo e resiliência, é o que afirma o PhD psicanalista, neurocientista e historiador Fabiano de Abreu. Em seu artigo recém publicado que analisa os sentimentos que envolvem a perda de alguém amado.

“A dor de perder quem amamos é apenas sentida. Não existe explicação”, pontua Fabiano de Abreu em seu texto. “Nessas horas, as palavras não encontram força, sentido, nem significado, simplesmente, nada faz com ela acabe. A não ser o tempo”, analisa o especialista em psicologia e neurociência Fabiano de Abreu, que destaca o tempo como fator importante para a superação.

+++ Processo de luto! Especialista explica a melhor maneira de ajudar uma pessoa que está passando por essa dor

+++ Luto vs Saúde Mental; como as perdas afetam a cabeça de mulheres idosas? Neuropsicóloga explica

RESILIÊNCIA 

O também neurocientista membro da Federação das Sociedades Europeias de Neurociências (FENS) explica que, ao perder uma pessoa amada, há efeitos no organismo de quem sente essa perda, tornando o processo muito complexo. O corpo da pessoa sofre de emoções fortes que alteram o funcionamento dos neurotransmissores, tornando a perda algo tão difícil e que exige resiliência para poder superar essa dor. Apenas com força e resiliência, aquele que perde pode seguir em frente.

De acordo com o escritor e psicanalista Fabiano de Abreu, o processo de luto deixa marcas permanentes: “Quem perde alguém que ama, segue amputado emocionalmente pela vida afora. A única prótese que se encaixa e pouco a pouco preenchendo esse vazio é o amparo certo e, muitas vezes, silencioso, de quem ainda permanece aqui”. Ainda, ele sinaliza a importância de lembrar e valorizar quem fica.


Sobre a fonte:

Fabiano de Abreu é PhD, neurocientista, mestre psicanalista, biólogo, historiador, antropólogo, com formações também em neuropsicologia, psicologia, neurolinguística, neuroplasticidade, inteligência artificial, neurociência aplicada à aprendizagem, filosofia, jornalismo e formação profissional em nutrição clínica - Diretor do Centro de Pesquisas e Análises Heráclito; Chefe do Departamento de Ciências e Tecnologia da Logos University International, UniLogos; Membro da Federação Européia de Neurociências e da Sociedade Brasileira e Portuguesa de Neurociências. Universidades em destaque: Logos University International, UniLogos, Nova de Lisboa, Faveni, edX Harvard, Universidad de Madrid.

Último acesso: 03 Dec 2021 - 18:45:38 (3603).