saude   / Doença da urina preta

Doença da urina preta: o que se sabe e quais são os tratamentos

Surto teve início em um município do Amazonas e estado já investiga mais de 40 casos da enfermidade

Jennifer de Carvalho com supervisão de Marina Pastorelli Publicado sexta 3 setembro, 2021

Surto teve início em um município do Amazonas e estado já investiga mais de 40 casos da enfermidade
Entenda tudo que você precisa saber sobre a doença da urina preta - Freepik

Nos últimos dias, o estado do Amazonas tem investigado mais de 40 casos de uma enfermidade que acometeu a população de alguns municípios, popularmente conhecida como doença da urina preta. O alerta começou na cidade de Itacoatiara, mas outros 5 municípios, como Manaus, também já registraram situações com o mesmo quadro. 

Segundo o biólogo Dr. Fabiano de Abreu, tudo indica que seja a doença de Haff: “ela é caracterizada pela ruptura das células musculares, que causam sinais e sintomas como dor, rigidez muscular, dormência, falta de ar e a urina preta, na cor do café.”

Mas, afinal de contas, por que a cor da urina fica escurecida? O Dr. Fabiano de Abreu explica que é por conta da tentativa dos rins em limpar as impurezas, causando lesão na musculatura. 

+++ Infecção urinária: 5 cuidados básicos - e muito importantes - que ajudam a evitar o problema

+++ Fique atento! No inverno aumenta o consumo de alimentos que provocam pedras nos rins

Algo em comum nos pacientes é o consumo de peixe antes dos sintomas se apresentarem, em que uma toxina pode ser encontrada em alguns pescados. Outros problemas que aparecem, de acordo com o biólogo, são as dores musculares e torácicas e a perda de força. “É importante que essa doença seja identificada e tratada rapidamente, porque ela pode evoluir e trazer complicações para a pessoa, como insuficiência renal e falência múltipla dos órgãos”, alerta o Dr. Fabiano de Abreu. 

Tratamento
Beber água é um fator muito importante para tratar a doença. Pois, conforme o biólogo, pela hidratação é possível reduzir a concentração de toxina no sangue, facilitando sua eliminação pela urina. “Nos casos mais graves, pode ser necessário fazer hemodiálise”, pontua. 

História
Essa não é a primeira vez que a doença surge no Brasil. O Dr. Fabiano de Abreu lembra que, por volta de 2017, outros casos apareceram em Salvador, Bahia. “E também tem vários focos de casos em outros países”, explica. 

Por ser uma enfermidade incomum, poucos conhecem a sua existência, como explica o biólogo. “Esse caso do Amazonas está sendo muito divulgado, então acredito que as pessoas conhecerão mais sobre essa doença”, completa. 
 

Último acesso: 29 Jan 2022 - 09:36:45 (3235).