saude   / Cuidados com os filhos

Você sabia? Sono de baixa qualidade afeta controle da diabetes em crianças; endócrino-pediatra comenta sobre o assunto

Instabilidade na rotina, uso excessivo de telas e ansiedade dos pais podem interferir no sono de crianças e jovens, afetando também o controle glicêmico

Revista VivaSaúde Publicado quarta 30 junho, 2021

Instabilidade na rotina, uso excessivo de telas e ansiedade dos pais podem interferir no sono de crianças e jovens, afetando também o controle glicêmico
Você sabia? Sono de baixa qualidade afeta controle da diabetes em crianças - Freepik / gpointstudio

A alteração continuada das rotinas, em função da pandemia de Covid-19 afeta diretamente o comportamento e a qualidade do sono de crianças e adolescentes – podendo impactar também a rotina de controle glicêmico dos pequenos com diabetes.

A médica endócrino-pediatra Dra. Mônica Gabbay, coordenadora do Departamento de Diabetes Mellitus 1 da Sociedade Brasileira de Diabetes (SBD), explica que a má qualidade do sono acarreta maior liberação de hormônios contrarreguladores de insulina, caso do cortisol, adrenalina e noradrelina. Os aumentos nos níveis desses hormônios estão relacionados à elevação da glicemia, sobretudo, no período da madrugada e ao amanhecer, causando uma resistência insulínica.

+++ Triste! Quase metade dos trabalhadores brasileiros não possui nenhum auxílio de saúde, revela pesquisa

+++ Nanda Costa e Lan Lanh serão mães de gêmeas; entenda mais sobre a Fertilização In Vitro

“O padrão de sono, de modo geral, mudou muito, desde o século passado, inclusive das crianças e jovens. Com isso, há alterações fisiológicas que afetam o metabolismo e o sistema nervoso. Para os que têm diabetes, é necessária atenção redobrada”, comenta.

A essa mudanças acumuladas ao longo do tempo, somam-se as repentinas ocasionadas pela atual crise sanitária. Instabilidade na rotina escolar, maior ansiedade dos pais, diminuição das atividades física e ampliação do tempo à frentes de telas (como celulares, computadores e televisão) interferem também no padrão de sono de toda a família. “Existe a tendência que, com mais tempo no ambiente familiar, durma-se pouco ou em horários não convencionais, o que é algo mais típico entre os jovens. Afetando, assim, a produção da insulina, hormônio do pâncreas, assim como hormônios gastrointestinais e melatonina, entre outros aspectos fisiológicos”, diz.

Outra alteração que carece cuidados refere-se aos níveis de ácidos graxos. Um sono de pouca qualidade provoca diminuição da sensibilidade à insulina devido ao aumento dos ácidos graxos no corpo.

Saúde tamanho família

Segundo Gabbay, é importante que a família defina uma rotina diária de sono e a cumpra, para que as crianças e jovens com diabetes mantenham a saúde, especialmente, em tempos de COVID-19. “Às vezes é uma luta, mas os pais precisam exercer esse papel mais assertivo, pelo menos na primeira infância, fase em que até o crescimento pode ser influenciado por noites mal dormidas”, conta.

Com os mais jovens, nem sempre é mais fácil, complementa a médica endócrino-pediatra, devido a hábitos, como jogar vídeo game, navegar na internet e brincar no celular. “A qualidade do sono, neste caso, pode mexer com o aprendizado da criança e do jovem, já diferenciado por ser em casa neste momento [...] “Não é dormir mais ou menos, é ter um sono melhor equilibrado. E compensar aos finais de semana não resolve o problema”, conclui.

Último acesso: 03 Dec 2021 - 19:13:25 (2755).