beleza   / Cicatriz

Cicatrizes na cirurgia plástica: especialista esclarece as dúvidas mais comuns dos pacientes

Membro da Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica, Leandro Faustino, explica como funcionam as etapas da cicatrização e destaca as medidas preventivas que podem oferecer melhor resultado final

Viva Saúde Publicado quinta 7 outubro, 2021

Membro da Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica, Leandro Faustino, explica como funcionam as etapas da cicatrização e destaca as medidas preventivas que podem oferecer melhor resultado final
Processo de cicatrização de cirurgias - Freepik/wayhomestudio

Como vai ficar a cicatriz? Essa é uma preocupação frequente de quem planeja passar por uma cirurgia plástica. Mas, embora seja um resultado inerente deste tipo de procedimento, o que muita gente não sabe é que há medidas preventivas que podem garantir cicatrizes quase imperceptíveis. E mais: que há diversos tratamentos que podem melhorar a aparência final de cicatrizações já existentes e pouco estéticas, como as traumáticas, decorrentes de acidentes. 

“Hoje em dia há cuidados que podem ser adotados pelo médico antes, durante e depois da cirurgia que garantem uma recuperação melhor, abrangendo, inclusive, a verificação do bom estado de saúde do paciente antes do procedimento e uma alimentação adequada, especialmente baseada em proteínas”, explica o cirurgião plástico e membro da Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica (SBCP), Leandro Faustino. “É preciso estar atento aos riscos de infecções nas incisões e fazer a sutura por planos diferentes, ou seja, em várias camadas, além de evitar que o fechamento do corte cause o tensionamento da pele, prejudicando a aparência final”, acrescenta. “Em complemento, a recomendação é o uso de cola cirúrgica e fios especiais que reduzem a probabilidade de complicações”.

+++ 5 coisas que você precisa saber antes de realizar um procedimento cirúrgico

+++ Desvio de septo: saiba quando é recomendado operar

Faustino destaca que a atenção no pós-operatório é outro fator fundamental. “A critério médico, podem ser prescritos vários tipos de tratamentos como pomadas hidratantes, placas de silicone, fitas adesivas que ajudam na compressão e até mesmo a aplicação de laser ou infiltrações de corticóide em situações específicas”, enumera o especialista. “Somente em último caso, é realizada a reabertura da incisão e a execução de uma nova cicatriz”, ressalta. “Esses são recursos muito usados hoje também para reparar cicatrizes resultantes de acidentes e traumas, em geral irregulares e muitas vezes com aparência pouco estética”.

O cirurgião plástico acredita que é importante que o paciente entenda as fases da cicatrização, até para passar pelo processo com menos ansiedade e mais tranquilidade. Existe uma fase inicial em que o corte precisa fechar, que dura cerca de sete a 10 dias, onde a pessoa ainda está com os pontos e o cuidado principal é evitar que eles se rompam, alerta. “Na fase posterior, entre 10 e 30 dias, há uma proliferação de colágeno, que ocorre basicamente depois que a gente tira os pontos, e onde o ponto de atenção está na observação se está se desenvolvendo ou não um excesso nessa cicatriz, se ela começa a ficar mais plana”, comenta. “A última fase é a de remodelação, que vai de 30 a 60 dias até um ano depois da cirurgia, sendo a coloração a última coisa que se modifica e vai ficando mais próxima novamente à cor da pele do paciente”, esclarece. É um processo lento e precisa ter paciência para esperar.

Um equívoco muito comum, segundo Faustino, é o costume de chamar todas as cicatrizes pouco estéticas de queloide, o que acabou se tornando uma maneira popular de indicar os problemas nas incisões. “O queloide é formado por um excesso de colágeno na pele, forma uma elevação muito grande, com consistência bastante endurecida, que muitas vezes gera até dor ou prurido, e em alguns casos não cresce só no local da incisão cirúrgica, mas fora também”, informa. “Mas este está longe de ser o principal problema que temos, corresponde apenas a 5% dos casos, o mais comum é termos cicatrizes alargadas, deprimidas ou muito pigmentadas, sejam escuras ou claras demais”.
 
Outra questão que tira o sono dos pacientes é o fato de já ter alguma cicatriz pouco estética no corpo e acreditar que uma incisão de cirurgia plástica vai ter o mesmo resultado e aparência. De acordo com Faustino, não necessariamente será assim. “Sem dúvida existe sim uma tendência de incisões feitas nas mesmas condições resultarem em cicatrização parecida, mas o que precisamos saber é se todos os cuidados adequados foram tomados por ocasião da cicatriz pré-existente, destaca. “O que acontece é que muitas são ocasionadas por acidentes, em situações de risco onde os cortes são irregulares e sem controle, muitas vezes com infecções, o que é muito diferente de uma incisão cirúrgica linear, planejada, feita com assepsia, e que tende a melhorar muito seu aspecto”, diz. “Por isso é fundamental que o médico tenha acesso ao histórico completo do paciente para poder avaliar corretamente os possíveis resultados”, finaliza.


 Sobre Leandro Faustino

Formado em medicina pela Universidade Federal de São Paulo (Unifesp) e com residência em cirurgia plástica na UNIFESP, passou parte de sua residência no mundialmente famoso Massachussets General Hospital, da Universidade de Harvard, nos EUA. O Dr. Leandro Faustino coleciona especializações em instituições renomadas brasileiras e internacionais que possibilitam que ele realize com excelência mais de 30 procedimentos estéticos e de reconstrução.
É Membro Titular da Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica, possui Mestrado em Cirurgia Plástica pela UNIFESP e pós-graduação em Cosmiatria, Laser e Procedimentos Estéticos no Hospital Israelita Albert Einstein. Ao longo de sua carreira coleciona prêmios e homenagens, com formação e experiências complementares nos Estados Unidos, em Dubai e na Áustria. É autor de artigos científicos, capítulos de livros e artigos em revistas de grande circulação na mídia. Atualmente, faz parte do quadro médico de renomados hospitais como Sírio Libanês e Albert Einstein e Human Clinic.

Último acesso: 03 Dec 2021 - 19:28:41 (3390).